Saiba como acertar a calibragem do pneu

Pressão deve ser verificada semanalmente ou, no máximo, a cada 15 dias.
Má calibragem diminui a vida útil dos pneus e aumenta o risco de acidentes.



Já para saber a pressão usada para inflar os pneus é bem simples. Os valores variam de acordo com a marca e o modelo do veículo e podem ser encontrados no manual do proprietário, na coluna da porta do motorista ou na tampa de combustível. É lá também que está estipulada a pressão das rodas traseiras quando o veículo transporta cargas, passageiros ou bagagens no porta-malas.



Aquele pit stop no posto serve para muitas coisas: abastecer o carro, deixar o vidro limpinho e checar níveis de água e óleo. Mas uma coisa imprescindível geralmente é esquecida por frentistas e motoristas: a calibragem dos pneus. 



Uma pesquisa feita no Brasil com 2.983 carros mostrou que 45% deles circulavam com pressões abaixo do recomendado. “O pneu é sempre deixado para depois. Isso diminui a segurança, a economia e a dirigibilidade do veículo”, alerta o engenheiro Claude Fondeville, responsável pelo programa “Pressão Certa” da Michelin. 


Falando em economia, não é só o pneu que tem sua vida útil encurtada com uma calibragem inadequada. Se o carro rodar com 14,5 libras a menos do que deveria a uma velocidade de 130 km/h, por exemplo, o gasto de combustível chega a ser 7% maior. Isso porque, assim como a bicicleta, que fica “pesada” quando está mal calibrada, a dificuldade para rodar faz com que o carro exija mais força do motor. 

E as conseqüências não param por aí. Quando calibrado de menos, o pneu termina desgastado nas bordas e inteiriço no centro. Se inflado além da conta, ocorre o contrário: fica careca no meio e bom nas laterais. Resumindo: esse desgaste irregular faz com que ele dure bem menos do que os cinco anos garantidos pelos fabricantes. 

Além disso, o risco de perda de controle, derrapagens e de colisões torna-se maior a medida em que a aderência ao solo diminui. 


Mãos à obra


Para não comprometer a performance dos pneus, as pressões de ar devem ser verificadas semanalmente ou, no máximo, a cada 15 dias. O mesmo deve ser feito antes de viagens. O mais recomendado é que os pneus ainda estejam frios, ou seja, com menos de três quilômetros rodados. Caso contrário, cada um deve receber quatro libras a mais, já que dependendo do percurso percorrido, podem levar de uma a duas horas para esfriar. 

 


Calibragem feita, é hora de atarraxar bem a tampa de válvula. Pronto. Agora, os pneus estão cheios de fôlego para rodar com mais segurança, conforto e economia.